Antibiótico Bactéria Saúde

Você sabia que antibióticos só são eficientes contra bactérias?

19 de Outubro, 2015

Não é incomum pessoas fazerem uso de antibióticos para “curar” um resfriado. Essa conduta é equivocada.

Os antibióticos devem ser utilizados para combater infecções bacterianas. Os antibióticos são compostos por substâncias que inibem ou eliminam as ações das bactérias1. Estas, por sua vez, estão na água, no solo e no nosso organismo. Algumas causam infecções, de tipos diversos, outras são inofensivas2.

As que nos prejudicam podem dar origem a doenças como alguns tipos de meningite, sífilis, gonorreia3, cistite4 e tuberculose5.

Como as bactérias são diferentes, não se pode combater todas com um mesmo tipo de antibiótico2. Por isso existe uma grande variedade do medicamento para atuar em problemas específicos, resultado de pesquisas realizadas desde o século XIX6.

Vírus, fungos e parasitas: cada um com seu remédio
Infecções causadas por vírus podem ser simples, como gripes, ou complexas, como a febre amarela, a raiva e a Aids. Para combatê-las, nada melhor que a prevenção, por meio de vacinas, e bons hábitos de higiene. Usar antibióticos nesses casos, além de ineficaz, pode tornar bactérias, já existentes no organismo, resistentes ao medicamento7.

Alguns fungos são responsáveis pelas conhecidas frieiras e micoses, como a impingem, que se instala na pele por meio de lesões  arredondadas com bordas vermelhas, e o pano branco, que são manchas claras na região do tronco, no rosto, pescoço e nos braços. Há também a candidíase, o sapinho e doenças que afetam órgãos internos, como a histoplamose, nos pulmões. Para tratá-las existem medicações apropriadas (antifúngicas e antimicóticas)8.

Dentre as doenças causadas pelas parasitas estão a escabiose, muito contagiosa e comum em crianças, e o piolho9. Para tratá-las são usados as formulações antiparasitárias3.

Por isso, pense bem, não se automedique! A melhor maneira de não prejudicar a sua saúde é procurar o médico para que ele descubra o que você tem. Só depois de uma avaliação clínica, o profissional poderá definir a melhor prescrição para o seu caso. Siga as orientações corretamente, faça o tratamento completo e seja responsável pelo seu bem-estar.

Antibiótico é coisa séria. Respeite sua receita.

Deixe um comentário
    1. MÉDICOS DE PORTUGAL. Antibióticos: tudo o que precisa saber. Disponível em: <http://medicosdeportugal.sapo.pt/utentes/medicamentos/antibioticos_tudo_o_que_precisa_saber> . Acesso em: 14 set. 2015
    2. PINHEIRO, P. Doenças causadas por bactérias, 2015. In: MD SAÚDE. Disponível em: <http://www.mdsaude.com/2011/05/doencas-bacterias.html>. Acesso em: 14 set. 2015.
    3. MD SAÚDE. Antibióticos: tipos, resistência e indicações. Disponível em: <http://www.mdsaude.com/2011/02/antibioticos.html>. Acesso em: 14 set. 2015.
    4. VARELLA, D. Cistite. Disponível em: <http://drauziovarella.com.br/mulher-2/cistite-3/>. Acesso em: 14 set. 2015.
    5.  PINHEIRO, P . Tuberculose: causas, sintomas e tratamento. In: MD SAÚDE. Disponível em: <http://www.mdsaude.com/2009/04/sintomas-de-tuberculose.html>. Acesso em: 14 set. 2015.
    6. GUIMARÃES, DO. et al. Antibióticos: importância terapêutica e perspectivas para a descoberta e desenvolvimento de novos agentes. Quim Nova, 33(3):667-79, 2010.
    7. VARELLA, D. Vírus e bactérias. Disponível em: <http://drauziovarella.com.br/virus-e-bacterias/virus/> .Acesso em:  14 set. 2015
    8. ABC. MED. Fungos: como são? Eles podem causar doenças? Como evitá-las? Disponível em: <http://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/526509/fungos+como+sao+eles+podem+causar+doencas+como+evita+las.html> . Acesso em: 14 set. 2015
    9. RODRIGUES, DA. et al. Atlas de dermatologia em povos indígenas. São Paulo: Editora Unifesp, 2010. In: Doenças causadas por parasitas, p. 81-92. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/23wpg/pdf/rodrigues-9788561673680-07.pdf> . Acesso em: 14 set. 2015.

    BR/ANB/0079/15n

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe um comentário

Post anterior

O uso de antibióticos na gestação é possível e seguro

Próximo Post

Vacina e antibiótico: uma dupla dinâmica