Bactéria Resistência Saúde

Resistência bacteriana: o mal do século

27 de Novembro, 2015

O surgimento dos antibióticos revolucionou o tratamento de doenças causadas por bactérias, reduzindo o número de mortes por essas infecções1. Mas o uso indiscriminado da medicação, com prescrições desnecessárias e/ou interrupção do tratamento pelo paciente, provocaram um problemão: a resistência bacteriana2. Ou seja, “o feitiço virou contra o feiticeiro”.

Para mostrar que o assunto é sério, a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou um relatório, indicando que a resistência bacteriana é uma ameaça global à saúde pública3.
Um exemplo, as infecções urinárias, comuns na população. O relatório aponta que o antibiótico utilizado no combate à bactéria E.coli não funciona mais em metade das pessoas tratadas com o fármaco2.

Outro: a gonorreia, doença transmitida sexualmente, contraída por mais de um milhão de pessoas no mundo, diariamente. O tratamento de último recurso para o problema falhou em dez países2.

Por isso, o diretor-geral assistente da OMS, Keiji Fukuda, alerta: "Sem uma ação urgente e coordenada entre as diferentes partes envolvidas nessa questão, o mundo caminha rumo a uma era pós-antibiótico, em que infecções comuns e ferimentos simples que são tratáveis há décadas podem matar novamente"2.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou medidas para promover  o uso racional dos antibióticos: obrigatoriedade da apresentação e retenção da receita médica para sua venda; prescrição com prazo de validade; em caso de uso prolongado, a compra deve ser feita mensalmente, assim o paciente não leva de uma só vez todas as caixas do remédio2 .

Para vencer essa batalha, cada um precisa fazer a sua parte. Os médicos devem ser mais criteriosos no diagnóstico para uma prescrição adequada3. Já os pacientes têm que seguir as recomendações à risca, respeitando doses, horários e tempo de duração do tratamento4. E, claro, nunca se deve tomar remédios sem indicação médica.

Antibiótico é coisa séria. Respeite sua receita.

 

Deixe um comentário
    1. SILVEIRA , GP. et al. Estratégias utilizadas no combate a resistência bacteriana. Quim. Nova, 29(4), 844-855, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/qn/v29n4/30269.pdf>. Acesso em: 5 out. 2015.
     
    2.BBC BRASIL. Para OMS, resistência de bactérias a antibióticos é 'ameaça global'. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/04/140430_resistencia_antibioticos_rb>. Acesso em: 5 out. 2015.
     
    3. ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE INFECÇÕES (AMECI). Organização Mundial da Saúde (OMS) divulga relatório de resistência bacteriana. Disponível em: <http://ameci.org.br/noticias/39/organizacao-mundial-da-saude-oms-divulga-relatorio-de-resistencia-bacteriana.html>. Acesso em: 5 out. 2015.
     
    4. MONTEIRO, MAP. Antibióticos. Farmácia União Moitense. Disponível em: <http://www.farmaciauniaomoitense.com.pt/EspacoInfoirmStatus/Antibiotico.pdf>. Acesso em: 5 out. 2015.

    BR/ANB/0079/15T

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe um comentário

Post anterior

Verão: mar, sol, piscina e... Bactérias

Próximo Post

O que você precisa saber sobre antibióticos e tipos de medicamentos