Prescrição Receita Saúde

Receita médica: bússola para o tratamento bem-sucedido

7 de Outubro, 2015

Especialistas apontam que, em vários países, metade dos consumidores de antibióticos compra o medicamento para usá-lo um único dia e 90% utilizam-no apenas por três dias1.

A automedicação ou o desrespeito a orientações contidas na prescrição médica pode causar danos à saúde, como tornar as bactérias resistentes1 ou, ainda, desencadear efeitos colaterais como diarreia e arritmia1.

Vale ressaltar que na prescrição médica estão os resultados da análise detalhada de exames clínicos, interpretação dos sintomas, investigação de doenças concomitantes e de efeitos danosos provocados por outros medicamentos. É com base em todos esses aspectos que o especialista define o procedimento mais seguro para o seu caso2.

A receita ideal
Para garantir eficiência na comunicação entre médico e paciente, é essencial que a prescrição seja clara. A receita deve conter linguagem compreensível, escrita legível (pReferenciaslmente em letra de forma), sem rasuras e uso de abreviaturas, códigos ou símbolos. As quantidades do medicamento precisam estar bem explicadas, assim como os horários em que você tem de tomar o antibiótico e de que forma administrá-lo (via oral ou por injeção)3. Caso esteja fazendo uso de outros remédios, o especialista deve saber disso e, no caso de orientações específicas a respeito, registrá-las na prescrição, que deve ser datada3.

Além do nome do paciente, a receita tem de conter o do médico e os seus contatos, para que dúvidas ou problemas possam ser resolvidas durante o tratamento3.

O seu papel nesse contexto é o de seguir corretamente as recomendações médicas. Não saia do consultório sem ter todas as respostas para suas perguntas, já que a eficiência do tratamento está diretamente relacionada à sua compreensão sobre a doença e ao que o médico definiu como conduta terapêutica para o seu caso1.
 
Antibiótico é coisa séria. Respeite sua receita.
 

Deixe um comentário
    1. NICOLINI, P. et al. Fatores relacionados à prescrição médica de antibióticos em farmácia pública da região Oeste da cidade de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva, 13:689-696, 2008. Disponível em: <http://www.scielosp.org/pdf/csc/v13s0/a18v13s0.pdf>. Acesso em: 01 set. 2015.

    2. MADRUGA, CMD. et al. Manual de orientações básicas para prescrição médica. Disponível em: <http://crmpr.org.br/publicacoes/cientificas/index.php/arquivos/article/download/241/231>. Acesso em: 01 set. 2015.

    3. DAMMENHAIN, RA. Manual Prático para Prescrição de Medicamentos de acordo com a legislação sanitária brasileira. Inbravisa. Disponível em: <http://www.sbrafh.org.br/site/public/temp/5161ea3ccde67.pdf>. Acesso em: 01 set. 2015
     
    BR/ANB/0079/15l

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe um comentário

Post anterior

Febre e antibióticos nem sempre combinam

Próximo Post

Antibiótico e crianças: pode ou não pode?