Antibiótico Febre Saúde

Febre e antibióticos nem sempre combinam

6 de Outubro, 2015

A febre é uma elevação da temperatura do corpo, para além dos valores considerados normais, que variam de acordo com alguns fatores. Recém-nascidos, por exemplo, têm temperatura maior que a dos adultos. As mulheres também apresentam temperaturas mais altas do que a dos homens, com alterações especialmente durante o ciclo menstrual.  Mas, de maneira geral, considera-se que uma pessoa está com febre quando a temperatura axilar, medida pelo termômetro, ultrapassar os 37,2ºC 1.

A febre é um alerta de que o organismo está reagindo a alguma coisa2. Descobrir a origem do problema é o primeiro passo para um tratamento adequado. Por isso a importância de procurar e seguir as recomendações do especialista.

Automedicação? Jamais!

A automedicação pode não só não resolver o problema como, também, camuflá-lo. E também, medicar-se com antibióticos, quando a febre aparece, sem prescrição médica, tende a tornar as bactérias resistentes4, além de causar efeitos colaterais como diarreia e arritmia4.

Há também outro aspecto importante que precisa ser considerado: a interação do antibiótico com outros medicamentos. Nem sempre é uma combinação saudável. Pílulas anticoncepcionais, por exemplo, podem perder sua eficácia, surpreendendo a usuária com uma gravidez não planejada4. Por isso a importância do seu médico saber de todas as medicações que você está utilizando.

Não arrisque a sua saúde, tome remédios somente com orientação.
Antibiótico é coisa séria. Respeite sua receita.

Deixe um comentário
    1. MURAHOVSCH, J. A criança com febre no consultório. J Pediatr, 79(1):S55-S64, 2003.

    2. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Uso e abuso de antibióticos em pediatria. Disponível em: <http://www.conversandocomopediatra.com.br/website/paginas/materias_gerais/materias_gerais.php?id=120&> . Acesso em: 31 ago. 2015.

    3. PINHEIRO, BV. Febre de origem indeterminada. Disponível em: <http://www.medicinaatual.com.br/doencas/febre-de-origem-indeterminada.html>. Acesso em: 31 ago. 2015

    4. NICOLINI, P. et al. Fatores relacionados à prescrição médica de antibióticos em farmácia pública da região Oeste da cidade de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva, 13:689-696, 2008. Disponível em: <http://www.scielosp.org/pdf/csc/v13s0/a18v13s0.pdf>. Acesso em: 01 set. 2015

    BR/ANB/0079/15k

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe um comentário

Post anterior

Quando realmente é preciso tomar um antibiótico ?

Próximo Post

Receita médica: bússola para o tratamento bem-sucedido