Bactéria Infecção SEPSE

Afinal, o que é infecção generalizada?

13 de Novembro, 2015

O termo é a forma popular para definir sepse ou sépsis, uma doença grave que atinge todo o organismo, podendo causar a falência múltipla dos órgãos1.

O problema pode começar em um local infectado por bactérias, vírus ou fungos2, responsáveis pela pneumonia (pulmão), infecção urinária e de rim (bexiga e rim), apendicite (abdômen), feridas (pele), meningite (sistema nervoso central), dentre outras doenças3.

O problema maior surge quando grandes quantidades de bactérias chegam em massa à corrente sanguínea, espalhando-se pelo corpo. Como as células de defesa precisam agir em vários pontos ao mesmo tempo para combater a infecção, elas acabam desencadeando um processo inflamatório difuso e liberam substâncias denominadas mediadores químicos, criando uma inflamação aguda que pode comprometer outros órgãos. É aí que se instala a sepse ou infecção generalizada4.

Existem grupos de risco mais sensíveis ao problema, como pessoas com sistema imunológico debilitado, com doenças crônicas (insuficiência cardíaca, renal e diabetes), usuários de álcool e outras drogas, bebês prematuros, crianças com menos de um ano e idosos acima de 65 anos3.

Há três níveis diferentes dessa infecção, com sintomas distintos de acordo com seu grau de evolução: sepse (febre, calafrios e falta de ar), sepse grave (comprometimento do funcionamento de um órgão) e choque séptico (queda drástica da pressão arterial)3.
Outros sinais podem ser febre alta (maior que 38º) ou hipotermia (temperatura menor que 35º), diminuição da frequência respiratória e aceleração dos batimentos cardíacos (acima de 90 por minuto)4.

O diagnóstico na maior parte dos casos é feito por meio de exames de sangue, urina e, em alguns casos, da análise de secreções respiratórias, de lesões da pele e exames de imagem (tomografia, ressonância magnética, raio X)3.

O diagnóstico precoce é uma medida fundamental para o controle da sepse. Após o diagnóstico, são utilizados antibióticos capazes de atacar uma variedade maior de bactérias, os antibióticos de largo espectro, por via endovenosa. O tratamento também consiste da reposição de líquidos e substâncias perdidas pelo organismo durante o processo da infecção e o uso de outros medicamentos, de acordo com o quadro clínico do paciente, que geralmente passa pelos procedimentos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI)3.

A sepse é uma doença grave, com altas taxas de mortalidade no País (65% dos casos)1. Por isso, preveni-la é mais do que necessário. Isso significa adotar atitudes simples que ajudam a evitar infecções e suas possíveis complicações. Por isso3:

1. Lave as mãos com frequência, com água e sabão.
2. Mantenha a vacinação das crianças em dia.
3. Evite a automedicação e o uso excessivo de antibióticos.
4. Nunca interrompa um tratamento ou mude as prescrições dadas pelo seu médico.

Cuide de você e de sua família para curtir a vida com saúde e bem-estar.
 

Deixe um comentário
    1. INSTITUTO LATINO AMERICANO DA SEPSE. O que é sepse? Disponível em: <http://www.sepsisnet.org/pg.php?v=o-que-e-sepse>. Acesso em: 26 set. 2015
    2. MAYARA CARDOSO. Septicemia. Disponível em: <http://www.infoescola.com/doencas/septicemia/ >. Acesso em: 26 set. 2015
    3. DRAUZIO VARELLA. Sepse e septicemia. Disponível em: <http://drauziovarella.com.br/letras/s/sepsesepticemia/>. Acesso em: 26 set. 2015
    4. MDSAÚDE.  O que é sepse, sépsis e choque séptico. Disponível  em: <http://www.mdsaude.com/2009/01/o-que-e-sepse-sepsis-e-choque-septico.html>. Acesso em: 26 set. 2015
     
    BR/ANB/0079/15aa

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe um comentário

Post anterior

Vírus e bactéria: cada um age de um jeito

Próximo Post

O que é preciso para um medicamento entrar no mercado