Acne Espinha Pele

Acne: uma doença que pode afetar a sua vida social

2 de Dezembro, 2014

A acne é uma doença muito comum, não contagiosa, que tem início, geralmente, na puberdade. Sua prevalência é maior em adolescentes, mas também pode acometer adultos1,2,3,4.

A doença afeta a unidade pilo-sebácea (composta pelo folículo piloso e glândula sebácea). As glândulas sebáceas passam a produzir uma quantidade maior de secreção gordurosa que não consegue ultrapassar a abertura do poro e se acumula na região, formando os cravos pretos ou os brancos, o que favorece a infecção por bactérias4.

As lesões surgem na face, nos ombros, no peito e nas costas, provocando dor, coceira e irritação4.

Além da infecção bacteriana, outros fatores são considerados de risco para o surgimento ou agravamento do problema: hereditariedade, predisposição genética, alterações na produção dos hormônios sexuais e estresse4.

O tratamento é feito com medicamentos tópicos específicos e antibióticos por via oral ou tópica. Aos antibióticos também podem ser associados outros medicamentos2,4.

Muitas pessoas consideram a acne um processo normal do desenvolvimento e demoram a consultar o médico. Aí está o erro. Quanto mais se retarda o tratamento, maior a chance do desenvolvimento de cicatrizes na pele, que podem levar a outro comprometimento, o emocional, causando problemas de autoestima e de sociabilidade1.
 
Por isso, não se trate por conta própria. Espremer as espinhas pode resultar na formação de cicatrizes definitivas, e a exposição das lesões aos raios solares não tem efeito curStatus sobre as lesões provocadas pela acne. Aos primeiros sinais da doença, procure um médico dermatologista e siga corretamente a sua orientação. Procurar ajuda psicológica pode representar um recurso importante para os portadores de acne com prejuízo de autoestima4.
 
Antibiótico é coisa séria. Respeite sua receita.

Deixe um comentário
    1. ANA LÚCIA VAZ. Acne vulgar: bases para o seu tratamento. 2003. Rev Port Clin Geral;19:561-70. Disponível em: www.vandressabueno.com.br/wp-content/uploads/2012/11/ARTIGO-ACNE.pdf. Acesso em: 16 set. 2014.

    2. FABIANE MULINARI BRENNER et al.  Acne: um tratamento para cada paciente. 2006. Rev. Ciênc. Méd., Campinas, 15(3):257-266, maio/jun. Disponível em: periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/download/1117/1092. Acesso em: 16 set. 2014.

    3. ÉRICA DE OLIVEIRA MONTEIRO. Acne e fotoproteção. RBM Jun 09 V 66 Edição Especial Dermatologia. Disponível em: www.moreirajr.com.br/revistas.asp?id_materia=4083&fase=imprime. Acesso em: 16 set. 2014.

    4. DR. DRAUZIO VARELLA. Doenças e sintomas: Acne vulgar. Disponível em: drauziovarella.com.br/letras/a/acne-vulgar/. Acesso em: 16 set. 2014.

    BR/ANB/0053/14l

Posts relacionados

Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar.

Deixe um comentário

Post anterior

Há 3 tipos de medicamentos: referência, similar e genérico. Você sabe a diferença?

Próximo Post

Para que servem as tarjas nos medicamentos